quarta-feira, 26 de novembro de 2008

MEMORIAL



QUANDO ERA CRIANÇA , ERA BASTANTE TÍMIDA.ENTÃO MEU PASSATEMPO ERA LER E DESENHAR... LEMBRO QUE TINHA UMA COLEÇÃO ENORME DE GIBIS E DA REVISTA "NOSSO AMIGUINHO". ADORAVA!
JÁ ADOLESCENTE LIA MUITO OS LIVROS DA COLEÇÃO VAGA-LUME, TENHO UM ATÉ HOJE - SOZINHA NO MUNDO, ME IDENTIFICAVA COM A HISTÓRIA.
ENTREI NA ESCOLA NORMAL E ME DELICIAVA COM AS AULAS DA PROFESSORA VALDEREZ E RENI, MONTAMOS ATÉ UM ESPETÁCULO GOTA D'ÁGUA DE CHICO BUARQUE.
GOSTO MUITO DE POESIA , APESAR DE ME ACHAR MUITO DIRETA. CONTINUO A GOSTAR DE DESENHAR , PINTAR , CRIAR...
CONFESSO QUE A LEITURA JÁ NÃO É UMA PAIXÃO , NÃO SEI O QUE ACONTECEU . NÃO TENHO PROBLEMA EM LER TEXTOS CIENTÍFICOS OU LIVRO PARA ALGUM TRABALHO, MAS POR LAZER... DÁ UMA PREGUIÇA! MAS TENHO ME ESFORÇADO E SEMPRE ESTOU LENDO ALGUMA COISA, QUEM SABE O PRAZER APARECE?
ESTOU NA SEDF HÁ 13 ANOS. SOU PROFESSORA ALFABETIZADORA, TRABALHEI COM SÉRIES INICIAIS, 3ª,4ª SÉRIES E EJA. ATUALMENTE ESTOU COMO PROFESSORA ITINERANTE DE DEFICIÊNCIA VISUAL E ESTOU AMANDO, DESCOBRI UMA NOVA PAIXÃO, UMA RENOVAÇÃO NA PROFISSÃO .

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

VOCÊ TROCA???????

VOCÊ TROCA?

Você troca..
Uma acerola por uma bola?
Um rolo por um jogo?
Um boné pelo Pelé?

Você troca...
Um banheiro por um faqueiro?
Uma tia por uma melancia?
Uma parede por uma rede?

Você troca...
A Catarina por uma rima?
Um castelo por um chinelo?
O Gustavo por um cavalo?
Uma pizza por uma lingüiça?
Você troca?
VINÍCIUS


Esta foi uma proposta de produção de texto realizada com meus alunos do 2º ano de alfabetização.
Levei para sala de aula o livro "você troca?" de Eva Funari, li , observamos as gravuras. questionei: o que vocês têm que gostariam de trocar?
após brincamos de rimar palavras e por fim a produção.foi muito legal e criativo. aí em cima é a turma e o texto é do Vinícius.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Um pouquinho de história

A língua portuguesa originaria do latim vulgar lusitano falado pelos romanos que invadiram a Penísula Ibérica em 218 d.c. havia também o latim escrito, que era considerado uma língua de cultura de prestígio na época.
Em 409 d. c até 711- a língua teve influência dos povos germânicos e árabes aparecendo palavras que fazem parte do léxico atual do português.
Em 1095- com a reconquista cristã da Penisula Ibérica, o galego-português é instituído como língua oficial,mas no séc.XIII essa corrente literária foi extinta. Portugal decreta sua língua oficial, separando o galego do português por motivos políticos .
Nos séc. XIV ao XVI a língua portuguesa expandiu-se para a Ásia África e América. O português era arcaico, acrescentado de algumas palavras de origens italianas e gregos.
No séc. XVI o português é consolidado com o surgimento das primeiras gramáticas e dicionários. A grande obra "Os Lusíadas"de Luis de Camões é um marco do português moderno. Portugal se encontrava sob o domínio da monarquia espanhola, sugiram poucas transformaçõoeos na língua.
No séc. XVIII a cultura francesa predomina na sociedade metropolitana ocidental da época, afastando da língua falada em Portugal da língua falada nas colônias.
Nos séc. XIX e XX, com o advento tecnológico industrial, aparecem no léxico do português, palavras e termos técnicos que traduzem o avanço tecnológico e cientifico presentes em alguns países do mundo e que são inseridos no português.
No Brasil no período da colonização (séc.XVl) o português europeu falado pelos e a língua geral que era a língua indígena que servia como meio de comunicação, interação entre colonos, europeus e os índios.
Segundo o professor Ayron Rodrigues (1996) havia três línguas gerais :a língua Geral Paulista era a língua Tupi, falada pelos mamelucos (uso generalizado pelos bandeirantes; a língua guarani, comum, usada pelos mestiços) .
A língua geral amazônica era a língua tupinambá, era para contato entre os colonos, soldados portugueses e índios ; continuou sendo falada pelos mestiços ou cablocos com o tempo foi-se distanciando, mas apesar do seu declínio até hoje é falada por parte da população de S.Gabriel da Cachoeira, no Rio Negro.
Outras línguas indígenas faladas naquela época que foram desaparecendo.
Em 1758 o marquês de Pombal, temendo a perda da hegemonia da Língua Portuguesa no Brasil proibiu o uso das línguas gerais e decretou o português como língua oficial do Brasil, elas continuaram sendo faladas, mesmo pribidas.
No início do séc, XIX com a chegada da família real, D.João também proibiu que se falassem as línguas gerais.
No séc, XIII, o português brasileiro apresentava traços fonéticos, morfológicos, sintáticos e lexicais diferenciados do português europeu
Com a vinda dos escravos recebeu contribuições lingüísticas dos africanos, também dos imigrantes europeus e asiáticos que colonizaram o sul e sudeste depois de 1822.
Outro motivo de afastamento do português brasileiro foi o surgimento de uma literatura ufanista, criada pela corrente literária romântica brasileira levando em consideração os falares regionais que se intensificou com o modernismo. Os poetas e romancistas comvocabulos e expressões apresentam a evolução do português, além de conhecer o contexto cultural da época.
Segundo Silva Neto (1977) no seu livro ele afina que a formação do Português Brasileiro, tem concepções etnocêntricas carregadas de preconceito contra os grupos sociais destituídos de prestígio e poder na sociedade colonial e que exaltam a língua eo grupo
social hegemônico que ainda continuam arraigados.
No contexto social atual a língua portuguesa é falada em todo o território nacional com cerca de 170 milhões de falantes (dados do IBGE), nosso país é considerado monolíngue , contudo, apresenta diferenças lingüística regionais variações lingüísticas Os falantes têm um dialeto peculiar com diferenças fonológicas lexicais . As influências multilinguisticas que incidem em contribuições multiculturais .
O Brasil pode ser considerado multilíngue levando em conta as línguas indígenas que hoje são aproximadamente 180; são parentas próximas do tupi e do tupinambá que constituem a família lingüística tupi -guarani.

OS USOS SOCIAIS DA LEITURA E DA ESCRITA

A leitura é um processo complexo e abrangente de decodificação de signos e de compreensão de intelecção do mundo que faz rigorosas exigências ao cérebro, à memória e à emoção. Exige capacidade simbólica e habilidade de interação mediada pela palavra.
A escrita, não pode ser considerada desvinculada da leitura. Pela leitura construímos uma intimidade muito grande com a língua escrita, internalizamos suas estruturas e suas infinitas possibilidades estilísticas.
A leitura é a forma primordial de enriquecimento da memória, do senso crítico e do conhecimento sobre diversos assuntos sobre os quais se pode escrever. Em todas as formas de leitura, muito do nosso conhecimento prévio é exigido para que haja uma compreensão mais exata do texto. Conhecimento prévio sobre:

• a língua;
• os tipos de texto,
• o assunto.
Durante a leitura temos de compreender as intenções do autor . Sendo assim a leitura envolve:
• decodificação de signos;
• interpretação de itens lexicais e gramaticais;
• agrupamento de palavras em blocos conceituais;
• identificação de palavras chaves;
• seleção e hierarquização de idéias;
• associação com informações anteriores, -
• antecipação de informações, -
• elaboração de hipóteses, -
• construção de inferências;
• compreensão de pressupostos, -
• controle de velocidade;
• focalização da atenção;
• avaliação e verificação do processo realizado, -
• reorientação dos próprios procedimentos mentais.

Durante a leitura é preciso conferir as interpretações, fazendo perguntas ao texto tais como:

• Quem escreve?
• Que tipo de texto é?
• A quem se de destina?
• Onde é veiculado
• Qual o objetivo?
• Com que autoridade?
• O que eu já sei sobre o tema?
• Quais são os outros textos que estão sendo citados?
• Quais são as idéias principais?
• Quais são as partes do texto que apresentam: objetivos,conceitfls, definições, conclusões? Quais são as relações entre essas partes?
• Com que argumento as idéias são definidas
• Onde e de que maneira a subjetividade está evidente?
• Quais são as outras vozes que perpassam o texto?
• Quais são os testemunhos utilizados?
• Quais são os exemplos citados?
• Como são tratadas as idéias contrárias?
Essa interação entre leitor e texto exige ativação de conhecimentos que extrapolam a simples decodificação dos elementos constitutivos do texto.
A leitura ajuda a escrever melhor sendo assim, o processo de alfabetização deve ser muito mais amplo do que a simples identificação entre a grafia e emissão sonora. Deve abranger outras habilidades que levem o leitor a uma relação intensa e produtiva com a leitura e com a produção de textos.

A língua portuguesa originaria do latim vulgar lusitano falado pelos romanos que invadiram a Penísula Ibérica em 218 a,P. havia também o latim escrito, que era considerado uma língua de culturN de prestígio na época.
Em 409 d. c até 711- a língua teve influência dos povos germânicos e árabes aparecendo palavras que fazem parte do léxico atual do português.
Em 1095- com a reconquista cristã da Penisula Ibérica, o galego-português é instituído como língua oficial,mas no séc.XIII essa corrente literária foi extinta. Portugal decreta sua língua oficial, separando o galego do português por motivos políticos .
Nos séc. XIV ao XVI a língua portuguesa expandiu-se para a Ásia África e América. O português era arcaico, acrescentado de algumas palavras de origens italianas e gregds.
No séc. XVI o português é consolidado com o surgimento das primeiras gramáticas e dicionários. A grande obra "Os Lusíadas"de Luis de Camões é um marco do português moderno. Portugal se encontrava sob o domínio da monarquia espanhola, sugiram poucas transformaçõoeos na língua.
No séc. XVIII a cultura francesa predomina na sociedade metropolitana ocidental da época, afastando da língua falada em Portugal da língua falada nas colônias.
Nos séc. XIX e XX, com o advento tecnológico industrial, aparecem no léxico do por"guês, palavras e termos técnicos que traduzem o avanço tecnológico e cientifico presentes em alguns países do mundo e que são inseridos no português.
No Brasil no período da colonização (séc.XVl) o português europeu falado pelos e a língua geral que era a língua indígena que servia como meio de comunicação, interação entre colonos, europeus e os índios.
Segundo o professor Ayron Rodrigues (1996) havia três línguas gerais :a língua Geral Paulista era a língua Tupi, falada pelos mamelucos (uso generalizado pelos bandeirantes; a língua guarani, comum, usada pelos mestiços) i
A língua geral amazônica era a língua tupinambá, era para contato entre os colonos, soldados portugueses e índios ; continuou sendo falada pelos mestiços ou cablocos com o tempo foi-se distanciando, mas apesar do seu declínio até hoje é falada por parte da população de S.Gabriel da Cachoeira, no Rio Negro.
Outras línguas indígenas faladas naquela época que foram desaparecendo.
Em 1758 o marquês de Pombal, temendo a perda da hegemonia da Língua Portuguesa no Brasil proibiu o uso das línguas gerais e decretou o português como língua oficial do Brasil, elas continuaram sendo faladas, mesmo pribidas.
No início do séc, XIX com a chegada da família real, D.João também proibiu que se falassem as línguas gerais.
No séc, XIII, o português brasileiro apresentava traços fonéticos, morfológicos, sintáticos e lexicais diferenciados do português europeu
Com a vinda dos escravos recebeu contribuições lingüísticas dos africanos, também dos imigrantes europeus e asiáticos que colonizaram o sul e sudeste depois de 1822.
Outro motivo de afastamento do português brasileiro foi o surgimento de uma literatura ufanista, criada pela corrente literária romântica brasileira levando em consideração os falares regionais que se intensificou com o modernismo. Os poetas e romancistas comvocabulos e expressões apresentam a evolução do português, além de conhecer o contexto cultural da época.
Segundo Silva Neto (1977) no seu livro ele afina que a formação do Português Brasileiro, tem concepções etnocêntricas carregadas de preconceito contra os grupos sociais destituídos de prestígio e poder na sociedade colonial e que exaltam a língua eo grupo
social hegemônico que ainda continuam arraigados.
No contexto social atual a língua portuguesa é falada em todo o território nacional com cerca de 170 milhões de falantes (dados do IBGE), nosso país é considerado monolíngue , contudo, apresenta diferenças lingüística regionais variações lingüísticas Os falantes têm um dialeto peculiar com diferenças fonológicas lexicais . As influências multilinguisticas que incidem em contribuições multiculturais .
O Brasil pode ser considerado multilíngue levando em conta as línguas indígenas que hoje são aproximadamente 180; são parentas próximas do tupi e do tupinambá que constituem a família lingüística tupi -guarani.

TÉCNICAS DE REDAÇÃO-O QUE É PRECISO SABER PARA BEM ESCREVER

Ler é viajar, é prazer, é crescer intelectualmente, é conhecer novos caminhos, é um ato que segundo Lucília Garcez, em seu livro Técnicas de Redação , enriquece a memória, o senso crítico e o conhecimento sobre diversos assuntos acerca dos quais se pode escrever, apresentando-nos informações preciosas e orientações inteligentes, o que a nosso ver, um educador comprometido com sua práxis jamais pode desprezar, pois sabe incentivar seu educando ao hábito da leitura, despertar a fome de ler, de conhecer, de aprender e descobrir.
Refletindo sobre o livro, pude observar que ler pode ser prazeroso, mas não é simples, ao contrário, é uma atividade complexa e para que haja entendimento e produtividade a autora sugere alguns aspectos a serem observados como: quem lê, com que objetivo lê e principalmente que conhecimentos prévios este leitor trás a fim de facilitar um entrelaçamento de informações e leitura de intertextos presentes em todo tipo de leitura, confirmando sua afirmação de que a leitura não se esgota no momento que se lê, e um leitor maduro reconhece a hora de fazer uma leitura de caráter descendente ou ascendente, conforme seu interesse.
O interesse do leitor é que vai direcionar o tipo de leitura que ele irá realizar, e segundo Lucília , um leitor que lê com a perspectiva de estudo, deve entender alguns recursos e procedimentos facilitadores para alcançar uma leitura mais produtiva como: identificar e sublinhar com lápis palavras-chave; tomar notas; estudar o vocabulário; destacar divisões no texto para agrupá-las posteriormente; simplificação; identificação da coerência textual; percepção da intertextualidade; monitoramento e concentração, recursos esses, uma vez observados pelo estudante contribuirá na aquisição de habilidades cognitivas sem desperdícios de energia e tempo para um leitor que precisa compreender e interpretar o que lê, e definitivamente, a nosso ver, ser excluído da estatística de analfabetos funcionais.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

COMO SE FOSSE UM PREFÁCIO

foto by: Fabiana Mendanha (chapada dos Veadeiros-pôr do sol)

"O cerrado é milagre
(e também é pedaço do Planeta
que desaparece)
abraço meu irmão pequizeiro.
Ando de mãos dadas
Com minha irmã sucupira.
Meu pai jatobá sorri.
Mãe peroba não diz nada,
Apenas sente.
Minhas amigas abelhas
são filhas das flores.
Agora prepare seu coração:
Correntão vai passar e levar tudo:
Ninho de passarinho rasteiro também.
Depois do correntão
Brotou o que tinha que brotar,
Mas já era tarde.
Faca fina cortou raiz pela raiz.
Aí não brotou mais nada.
Aliás, brotou coisa melhor:

Soja, verdinha, verdinha
Que beleza, diziam.

Olhe bem os cerrados
da próxima vez.
Rastejar por entre cupins
E capins
E sentir o cheiro do anoitecer.

Antes de terminar pergunto:
Quem vai pagar a conta
De tanta destruição?
“tudo bem, daqui a 100 anos
estaremos todos mortos”
disse alguém.
Certo, estaremos todos mortos.
Mas nossos netos não.
O cerrado é milagre,
Minha gente."
NIKOLAUS VON BEHR

MANIA DE EXPLICAÇÃO

Escrevo bem porque leio muito ou leio muito porque escrevo bem?

A escrita depende do nosso conhecimento do assunto, da língua e dos tipos textuais. Para isso a leitura é fundamental.
Uma única leitura nem sempre é suficiente. Geralmente é necessário voltar ao texto algumas vezes, conforme nossos objetivos. E são eles que vão direcionar o ripo de leitura a ser realizada.
É importante desenvolver adequadamente estratégias de apoio técnico, de simplificação, de forma que possamos otimizar os esforços. É necessário que não haja desperdício de energia e tempo. A leitura deve se transformar a cada dia, em um exercício prazeroso. através da leitura entendemos a estrutura da língua, os gêneros, os tipos textuais, os recursos estilísticos com mais eficácia que as aulas e exercícios gramaticais. assim como um processo natural , a leitura ajuda escrever melhor!!

O que é preciso para escrever?

A escrita é um processo e como tal vai-se aperfeiçoando a cada dia. o caminho para escrever bem, passa por diversos fatores como: assunto, motivação, necessidade e ideia do leitor , fazendo com que o escritor avance em sua produção. É preciso coordenar o trabalho, para que não aconteça a tão famosa "fuga do tema".
A memória se faz presente. A memória vazia , produz texto fraco, sem substancia informativa ou linguística . cabe a nos procurar informações pautada na analise, reflexão,raciocínio ,visando assim , enfatizar melhor as ideias e aceitar sugestões que só fazem melhorar o nosso desempenho.
cada pessoa deve conhecer e estabelecer o seu procedimento na escrita e desenvolver tais habilidades e competências continuamente.Todos tem potencial basta exercitá-lo!
A língua do sertão
Pesquisadores de quatro universidades brasileiras seguem a trilha dos bandeirantes e descobrem no jeito caipira de falar marcas do português arcaico
Conceição Freitas Da equipe do Correio


Se um goiano caipira diz ‘‘pessuir’’ em vez de ‘‘possuir’’ ou ‘‘percisão’’ no lugar de ‘‘precisão’’ não se trata de uma inabilidade no uso da língua portuguesa, como se costuma pensar. São marcas de um português arcaico, trasladado para o interior do país pelos bandeirantes em fins do século 17 e durante o século 18. Essa herança se espraiou pelo interior de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso e persiste até hoje no modo de falar de velhos habitantes das regiões por onde passaram os bandeirantes. Faz quatro anos que pesquisadores de universidades desses quatro estados brasileiros seguem o roteiro das bandeiras para entrevistar moradores antigos dos povoados mais afastados. Cerca de 80 pessoas já foram entrevistadas, o que resultou em centenas de horas de gravação e na descoberta das marcas da língua portuguesa falada pelos bandeirantes paulistas. ‘‘Partimos do princípio que o período da mineração de lavra pode ter sido, senão o mais intenso, sem dúvida, o primeiro entre os mais intensos movimentos de contatos lingüísticos no país. Línguas nativas, português e línguas africanas que conviveram estreita e intensamente nesse período’’, relata Heitor Megale, professor de Língua Portuguesa e de Filologia da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do projeto Filologia Bandeirante. O projeto nasceu nas aulas de pós-graduação em História da Língua Portuguesa, na USP, durante a leitura de textos portugueses dos séculos 13, 14 e 15. Os alunos identificavam, com freqüência, traços lingüísticos semelhantes ao Português falado ou mesmo escrito no Brasil. Era preciso, no entanto, ir a campo rastrear essa hipótese. ‘‘Surgiu então a proposta de se fazer um percurso por trilhas dos movimentos de ida para o sertão, para conferir se seria possível ainda encontrar-se alguma identificação desse português em entrevistas com idosos radicados no lugar’’, conta o professor Megale, É o que tem sido feito há quatro anos por pesquisadores da USP e das universidades federais de Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso. O projeto caminha em dois sentidos: segue a trilha dos bandeirantes para localizar pessoas com idade entre 60 e 90 anos, filhas ou netas de moradores da região, analfabetas ou de baixa escolaridade, que tenham se mantido razoavelmente isoladas e sem nenhum ou quase nenhum acesso aos meios de comunicação. E escarafuncha quase mil páginas de manuscritos dos séculos 17 e 18 recolhidas em arquivos e cartórios das regiões mais dominadas pela expansão bandeirante. Nesse percurso, os pesquisadores encontram no sul de Minas e no interior de São Paulo expressões do tipo: ‘‘Dá uma esmolna por amor de Deus’’. Esmolna remonta aos séculos 13 ou 14, do latim eleemosyna, esmola. Em Goiás, os pesquisadores encontraram a palavra treição (traição) que está em textos do poeta português Sá de Miranda, do século 16, mas com a acepção de de repente, no sentido de surpresa. Pessuir, por exemplo, é uma forma encontrada em escritos do século 18. A forma despois, muito usada neste vasto sertão do Centro-Oeste brasileiro, era usada no século 17, e até hoje faz parte da linguagem popular do português de Portugal. Formas que são desqualificadas, ironizadas ou tratadas como incompetência dos matutos no uso da língua portuguesa são, na verdade, palavras que vêm desde o século 13, 300 anos antes de Pedro Álvares Cabral ancorar na costa brasileira. As formas quaje ou quase (o atual quase), quige (quis) e fie (fiz) são desse período. Toda essa herança que resiste aos séculos demonstra o quão intenso foi o contato de línguas nativas com o português. Sim, porque antes de os bandeirantes se embrenharem Brasil a dentro, os povos isolados do sertão falavam a língua geral, como é chamado o tupi-guarani usado pelos índios na época do Brasil colônia. O projeto Filologia Bandeirante, como explica o professor Heitor Megale, avança um pouco mais no estudo, ainda incipiente, do Português falado no Brasil. Mais que isso, o projeto permitiu aos pesquisadores conviver com pessoas que passam privações, mas vivem sem pressa — como seu Severino, de São Tiago, Minas Gerais, que disse: ‘‘A vida aqui, moço, é dura, é dura, é dura diveras.’’. Diz o professor Megale, já na fase final do projeto: ‘‘Tenho recebido imensas e ricas lições de vida desses brasileiros isolados. Eles têm uma nobreza, como a linguagem que lhes é própria, que não encontramos na vida urbana.’’
GOIÁS E TOCANTINS SERTANEJOS
Moradores das seguintes cidades foram entrevistadas para a pesquisa Filologia Bandeirante

Amaro Leite
Boa Vista do Tocantins (atual Tocantinópolis)
Cana Brava (atual Minaçu)
Catalão
Descoberto (atual Porangatu)
Guarocumbá (atual Corumbá)
Meia Ponte (atual Pirenópolis)
Mestre d’Armas (atual Planaltina)
Nossa Senhora da Natividade (atual Natividade)
Porto Imperial (atual Porto Nacional)
Santo Antônio do Morro do Chapéu (atual Monte Alegre de Goiás)
São José do Caiamares (atual São José do Cajamar)
São José do Tocantins (atual Niquelândia)
Vila Boa de Goiás (atual Goiás)

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

diário de bordo

As vezes me pego a refletir: o que estou fazendo aqui? afinal não sou professora de português e sim alfabetizadora!!!!!
fico aqui na minha, quietinha...não sei usar muito bem estes termos gramaticais e muito menos identificá-los. Acho que descobri a resposta da minha indagação,pensei qie ia aprender português,ou pelo menos todas as suas regras , conceitos e exceções. Ledo engano...
mas uma coisa eu descobri!!!!!!!! que estou no caminho certo, pois ao oportunizar meu aluno, diversos momentos de leitura e escrita de diferentes tipos de textos: poemas,cartas, gibis, músicas e muita historinha, estou facilitando seu futuro. Isto mesmo! Assim ele não terá a dificuldade que eu tenho de diferenciar, por exemplo, gêneros e tipos textuais.
Ainda bem que encontro pensamentos do "tipo": A escola insiste em estragar a leitura. Ela deve ser uma coisa solta, vagabunda, sem relatórios.(Rubem Alvez). UFA!!!! AINDA TENHO SALVAÇÃO!!!!
Ler , aprende-se lendo e escrever , aprende-se escrevendo. E ao mesmo tempo outras habilidades linguísticas vão sendo desenvolvidas para compor a competência de utilizar a linguagem com diversos objetivos em diversas situações. Assim o processo de alfabetização deve ser muito mais amplo do que a simples identificação entre a grafia e emissão sonora. deve levar o leitor a uma relação intensa e produtiva com a leitura e com a produção de texto, pois o sujeito que domina a língua e a entende, é um sujeito capaz de perceber-se,emancipar-se socialmente e economicamente.
Segundo Rubem Alvez:"nosso sistema de educação dá a faca e o queijo, mas não desperta a fome nas crianças."
Queridos!! Aqui eu lanço a campanha: VAMOS DEIXAR NOSSAS CRIANÇAS FAMINTAS?
FOME JÁ!
com carinho
Fabiana

quarta-feira, 4 de junho de 2008

PRECONCEITO LINGUÍSTICO

  • FAVORÁVEL À TESE
NADA NA LÍNGUA É POR ACASO: ciência e senso comum na educação em língua materna
Marcos Bagno (Universidade de Brasília)(Artigo de Marcos Bagno publicado na revista Presença Pedagógica em setembro de 2006)
Quando o assunto é língua, existem na sociedade duas ordens de discurso que se contrapõem: (1) o discurso científico, embasado nas teorias da Lingüística moderna, que trabalha com as noções de variação e mudança; e (2) o discurso do senso comum, impregnado de concepções arcaicas sobre a linguagem e de preconceitos sociais fortemente arraigados, que opera com a noção de erro.
Para as ciências da linguagem, não existe erro na língua. Se a língua é entendida como um sistema de sons e significados que se organizam sintaticamente para permitir a interação humana, toda e qualquer manifestação lingüística cumpre essa função plenamente. A noção de "erro" se prende a fenômenos sociais e culturais, que não estão incluídos no campo de interesse da Lingüística propriamente dita, isto é, da ciência que estuda a língua "em si mesma", em seus aspectos fonológicos, morfológicos e sintáticos. Para analisar as origens e as conseqüências da noção de "erro" na história das línguas será preciso recorrer a uma outra ciência, necessariamente interdisciplinar, a Sociolingüística, entendida aqui em sentido muito amplo, como o estudo das relações sociais intermediadas pela linguagem.A noção de "erro" em língua nasce, no mundo ocidental, junto com as primeiras descrições sistemáticas de uma língua (a grega), empreendidas no mundo de cultura helenística, particularmente na cidade de Alexandria (Egito), que era o mais importante centro de cultura grega no século III a.C.Como a língua grega tinha se tornado o idioma oficial do grande império formado pelas conquistas de Alexandre (356-323 a.C.), surgiu a necessidade de normatizar essa língua, ou seja, de criar um padrão uniforme e homogêneo que se erguesse acima das diferenças regionais e sociais para se transformar num instrumento de unificação política e cultural.Data desse período o surgimento daquilo que hoje se chama, nos estudos lingüísticos, de Gramática Tradicional - um conjunto de noções acerca da língua e da linguagem que representou o início dos estudos lingüísticos no Ocidente. Sendo uma abordagem não-científica, nos termos modernos de ciência, a Gramática Tradicional combinava intuições filosóficas e preconceitos sociais. As intuições filosóficas que sustentam a Gramática Tradicional estão presentes até hoje na nomenclatura gramatical e nas definições que aparecem ali. Por exemplo, a noção de sujeito que encontramos em importantes compêndios normativos se expressa como "o sujeito é o ser sobre o qual se faz uma declaração", ou coisa equivalente. Como é fácil perceber, não se trata de uma definição lingüística - nada se diz aí a respeito das funções do sujeito na sintaxe nem das características morfológicas do sujeito -, mas sim de uma definição metafísica, em que o próprio uso da palavra "ser" denuncia uma análise de cunho filosófico. Com isso, o emprego desta noção para um estudo propriamente lingüístico fica comprometido.
A Gramática Tradicional merece ser estudada, como um importante patrimônio cultural do Ocidente, mas não para ser aplicada cegamente como única teoria lingüística válida nem, muito menos, como instrumental adequado para o ensino.Além de ser anacrônica como teoria lingüística, a Gramática Tradicional também se constituiu com base em preconceitos sociais que revelam o tipo de sociedade em que ela surgiu - preconceitos que vêm sendo sistematicamente denunciados e combatidos desde o início da era moderna e mais enfaticamente nos últimos cem anos. Como produto intelectual de uma sociedade aristocrática, escravagista, oligárquica, fortemente hierarquizada, a Gramática Tradicional adotou como modelo de língua "exemplar" o uso característico de um grupo restrito de falantes:" do sexo masculino;" livres (não-escravos);" membros da elite cultural (letrados);" cidadãos (eleitores e elegíveis);" membros da aristocracia política;" detentores da riqueza econômica.
Os formuladores da Gramática Tradicional foram os primeiros a perceber as duas grandes características das línguas humanas: a variação (no tempo presente) e a mudança (com o passar do tempo). No entanto, a percepção que eles tiveram da variação e da mudança lingüísticas foi essencialmente negativa.Por causa de seus preconceitos sociais, os primeiros gramáticos consideravam que somente os cidadãos do sexo masculino, membros da elite urbana, letrada e aristocrática falavam bem a língua. Com isso, todas as demais variedades regionais e sociais foram consideradas feias, corrompidas, defeituosas, pobres etc.Ainda na questão da variação, os primeiros gramáticos, comparando a língua escrita dos grandes escritores do passado e a língua falada espontânea, concluíram que a língua falada era caótica, sem regras, ilógica, e que somente a língua escrita literária merecia ser estudada, analisada e servir de base para o modelo do "bom uso" do idioma. Essa separação rígida entre fala e escrita é rejeitada pelos estudos lingüísticos contemporâneos, mas continua viva na mentalidade da grande maioria das pessoas.Comparando também a língua falada de seus contemporâneos e a língua escrita das grandes obras literárias do passado, eles concluíram que, com o tempo, a língua tinha se degenerado, se corrompido e que era preciso preservá-la da ruína e da deterioração. Tinham, portanto, uma visão pessimista da mudança, resultante do equívoco metodológico - que só veio a ser detectado e abandonado muito recentemente - de comparar duas modalidades muito distintas de uso da língua (a escrita literária e a fala espontânea), desconsiderando a existência de um amplo espectro contínuo de gêneros discursivos entre esses dois extremos.Com isso, os elaboradores das primeiras obras gramaticais do mundo ocidental definiram os rumos dos estudos lingüísticos que iam perdurar por mais de 2.000 anos:" desprezo pela língua falada e supervalorização da língua escrita literária;" estigmatização das variedades não-urbanas, não-letradas, usadas por falantes excluídos das camadas sociais de prestígio (exclusão que atingia todas as mulheres);" criação de um modelo idealizado de língua, distante da fala real contemporânea, baseado em opções já obsoletas (extraídas da literatura do passado) e transmitido apenas a um grupo restrito de falantes, os que tinham acesso à escolarização formal.
Com isso, passa a ser visto como erro todo e qualquer uso que escape desse modelo idealizado, toda e qualquer opção que esteja distante da linguagem literária consagrada; toda pronúncia, todo vocabulário e toda sintaxe que revelem a origem social desprestigiada do falante; tudo o que não conste dos usos das classes sociais letradas urbanas com acesso à escolarização formal e à cultura legitimada. Assim, fica excluída do "bem falar" a imensa maioria das pessoas - um tipo de exclusão que se perpetua em boa medida até a atualidade.Os preceitos e preconceitos da Gramática Tradicional só começaram a ser questionados a partir do século XIX, com o surgimento das primeiras investigações lingüísticas de caráter propriamente científico. Embora contestada pela ciência moderna, aquela visão arcaica e preconceituosa de língua e de linguagem penetrou no senso comum ocidental e ali permanece firme e forte até hoje.O processo de normatização, ou padronização, retira a língua de sua realidade social, complexa e dinâmica, para transformá-la num objeto externo aos falantes, numa entidade com "vida própria", (supostamente) independente dos seres humanos que a falam, escrevem, lêem e interagem por meio dela.Isso torna possível falar de "atentado contra o idioma", de "pecado contra a língua", de "atropelar a gramática" ou "tropeçar" no uso do vernáculo. Todo esse discurso dá a entender (enganosamente) que a língua está fora de nós, é um objeto externo, alguma coisa que não nos pertence e que, para piorar, é de difícil acesso.A criação de um padrão de língua muito distante da realidade dos usos atuais fez surgir, em todas as sociedades ocidentais, uma milenar "tradição da queixa". Em todos os países, em todos os períodos históricos, sempre aparecem as manifestações daqueles que lamentam e deploram a "ruína" da língua, a "corrupção" do idioma etc. Acerca da suposta decadência da língua portuguesa, sirvam de exemplos as seguintes declarações apocalípticas, que se desdobram ao longo de quase trezentos anos:
  1. "Se não existissem livros compostos por frades, em que o tesouro está conservado, dentro em pouco podíamos dizer: ora morreu a língua portuguesa, e não descansa em paz" (José Agostinho de Macedo [1761-1831], escritor português)."
  2. "Temos a prosa histérica, abastardada, exangue e desfalecida de uma raça moribunda. A nossa pobre geração de anémicos dá à história das letras um ciclo de tatibitates" (Ramalho Ortigão [1836-1915], escritor e político português). "
  3. "[...] português - um idioma que de tão maltratado no dia-a-dia dos brasileiros precisa ser divulgado e explicado para os milhões que o têm como língua materna" (Mario Sabino, Veja, 10/9/1997). "
  4. "Não fique nenhuma dúvida, o português do Brasil caminha para a degradação total" (Marcos de Castro, A imprensa e o caos na ortografia, Ed. Record, 1998, p. 10-11). "
  5. "Que língua falamos? A resposta veio das terras lusitanas. Falamos o caipirês. Sem nenhum compromisso com a gramática portuguesa. Vale tudo [...]" (Dad Squarisi, Correio Braziliense, 22/7/1996)."
  6. "Nunca se escreveu e falou tão mal o idioma de Ruy Barbosa" (Arnaldo Niskier, Folha de S. Paulo, 15/1/1998). " "[...] o usuário brasileiro da língua [...] comete erros, impropriedades, idiotismos, solecismos, barbarismos e, principalmente, barbaridades" (Luís Antônio Giron, revista Cult, no 58, junho de 2002, p. 37).
    Em contraposição à noção de "erro", e à "tradição da queixa" derivada dela, a ciência lingüística oferece os conceitos de variação e mudança. Enquanto a Gramática Tradicional tenta definir a "língua" como uma entidade abstrata e homogênea, a Lingüística concebe a língua como uma realidade intrinsecamente heterogênea, variável, mutante, em estreito vínculo com a realidade social e com os usos que dela fazem os seus falantes. Uma sociedade extremamente dinâmica e multifacetada só pode apresentar uma língua igualmente dinâmica e multifacetada.
  • CONTRÁRIOS À TESE

Quem come quem? Olavo de Carvalho

Texto original. Distribuído aos alunos do Seminário de Filosofia em 12 jun. 1999.

A luta pela "identidade nacional" na cultura brasileira tem sido uma longa comédia de erros. Enquanto nossos vizinhos buscavam sabiamente fortalecer os laços que os uniam à cultura hispânica de origem, lutávamos obsessivamente para cortar toda nossa raiz lusitana. Se é verdade que "pelos frutos os conhecereis", está na hora de admitir que apostamos no cavalo errado. De um lado, há perfeita continuidade de Perez Galdós a Jorge Luís Borges, de Unamuno a Octavio Paz, enquanto entre nossos literatos (para não falar de estudantes de letras) não se encontrará um só que, lendo Camilo Castelo Branco, não esgasgue a cada linha, intimidado por um vocabulário que com apenas um século de idade se tornou impenetrável mistério antediluviano. De outro lado, o idioma espanhol se afirma poderosamente como língua de cultura mundial, enquanto o português vai perdendo terreno aqui dentro mesmo, acossado pelo barbarismo midiático, manietado pelos fiscais politicamente corretos, açoitado pelos feitores da incorreção obrigatória.
Um efeito cíclico da nossa obsessão identitária é que, quanto mais nos afastamos da nossa raiz autêntica lusitana, mais temos de tomar emprestada a seiva alheia, seja francesa ou americana, e mais a nossa sonhada autenticidade se torna uma caricatura do estrangeiro. E o motivo disto é bem evidente: recusando-nos a desenvolver formas e estilos a partir de uma tradição lingüística própria, não nos resta alternativa senão rebaixar-nos a fornecedores de matéria-prima. Já no Romantismo, nós entrávamos com os papagaios e os coqueiros, Chateaubriand com a fórmula literária. Ora, em literatura, a forma é tudo: cor local, temas, cenários e documentarismo lingüístico contribuem menos para definir a nacionalidade de uma obra do que o faz a forma interna, esta sim, inconfundivelmente americana ou russa, inglesa ou lusa. A narrativa ágil e quase jornalística dos romances de Hemingway é sempre americana, quer a história se passe em Paris ou se adorne de acento espanhol. Imitada em francês, em malaio ou em urdu, permanece americana, pela força da matriz lingüistica onde foi gerada como solução americana para problemas expressivos americanos. Mais nos valeria, pois, ter desenvolvido a novela camiliana, mesmo que fosse em histórias passadas na África ou no planeta Marte, do que adaptar os temas nacionais ao modelo proustiano ou ao realismo socialista, ainda que temperados de gíria baiana ou mineira. O primado da forma, a sujeição da matéria, são leis inescapáveis, em literatura como em tudo o mais: "Quando o coelho come alface, é a alface que vira coelho, não o coelho que vira alface", resume Jean Piaget. Cobras e índios no molde literário de Apollinare não são cultura brasileira: são o delírio de um turista francês, intoxicado de cauim. O segredo da brasilidade autêntica do teatro de Ariano Suassuna não está nos temas, comuns a tantas obras epidermicamente nacionalistas, nem na imitação da linguagem popular, obrigação dogmática que se tornou cacoete: está em que a fórmula estrutural de suas peças não se inspirou em Sartre ou Brecht, e sim nos autos medievais lusitanos. Suassuna não é brasileiro porque come coco, mas porque digere a fruta local no estômago da tradição lusa. A forma é tudo. E um candomblé na Sorbonne não é sincretismo brasileiro: é a antropologia francesa engolindo o Brasil.
Mais fez pela brasilidade do romance um Machado de Assis, criando com assunto urbano e em português castiço a fórmula inédita das Memórias Póstumas (não há por que exgerar a influência de Sterne), do que dezenas de imitadores de Zola narrando histórias de escravos com sintaxe de cangaceiro. Uma nova fórmula vale mil assuntos. Ser brasileiro, para um romancista, é integrar a experiência — local ou mundial, pouco importa — numa chave intelectual e estética criada por nós segundo as nossas necessidades, e não integrar materiais locais e trejeitos lingüísticos regionais numa tradição narrativa francesa ou inglesa. É uma simples questão de quem come quem.
O protesto de Evaldo Cabral de Melo, de que só povos complexados se preocupam com a própria identidade, pode ser aceito como um exagero corretivo, mas continua exagero. A obsessão germanizante de um povo em luta com o complexo de inferioridade gerou Hermann e Dorothea e a filosofia de Fichte, Schelling e Hegel. E a afirmação xenófoba do russismo contra a hegemonia franco-germânica produziu Dostoiévski, Soloviev e Lossky. Abençoada neurose!
Nosso erro não está em buscar uma identidade. Está em três fontes de engano, nas quais bebemos compulsivamente há mais de um século. Primeira: revoltamo-nos sempre contra o dominador errado. Escravos da Inglaterra, continuávamos a nos bater contra o extinto domínio português. Intoxicados de francesismo, esforçávamo-nos por expelir de nosso ventre os últimos resíduos da herança portuguesa. E hoje, paralisados sob as patas do império mundial anglófono, encenamos ainda um ridículo Ersatz de rebeldia, não anti-anglo-saxônica e sim antilusitana, jogando bombas ideológicas contra a "língua dos dominadores", como se o FMI fosse presidido por Cândido de Figueiredo e a Gramática Metódica de Napoleão Mendes de Almeida fosse a Carta da ONU. Vista sob esse prisma, nossa pretensa busca de independência não é senão afetação e disfarce para encobrir nosso compulsivo puxa-saquismo, nossa incoercível devoção ao poder mais forte, nossa renitente hipnose de botocudos ante os prestígios internacionais do momento.
A segunda coisa: acreditamos demais na mágica besta do popular, do local, do costumeiro e corriqueiro. Achamos que falando de coisinhas do nosso dia a dia e imitando a fala do povo seremos nacionais, quando a força da criação nacional não está na sua matéria, muito menos no populismo do seu estilo, e sim na originalidade das soluções estéticas e intelectuais que, uma vez bem sucedidas, se transformam em soluções e modelos para outros escritores de outras nações. Dostoiévski não representa o gênio russo porque fala da Rússia ou porque imita a fala dos russos, mas porque inventou, desde a Rússia, um sistema de enfoques narrativos que desde então se tornou necessário para todos nós, seja para falarmos da Rússia, seja de nós mesmos. A originalidade de uma literatura nacional é enfim uma só e mesma coisa que a originalidade criativa de seus escritores, a qual por sua vez não é senão a capacidade de dar respostas sérias a ansiedades autênticas. E, quando isto falta, não há documentarismo, populismo ou automacaquice lingüística que o substitua.
A terceira fonte de engano é a perpétua confusão que fazemos entre o universal e o atual. Achamos que, para integrar-nos na cultura mundial, temos de acompanhar o debate que se desenrola entre os povos mais ricos e supostamente mais cultos. Nunca nos ocorre a hipótese de que, no curso desse debate, esses povos possam ter perdido o fio da sua própria tradição cultural, de que possam estar reduzidos à mais profunda incompreensão de si mesmos, de que possam estar mergulhados numa inconsciência que só um maluco suicida desejaria imitar. Tomamos sempre os povos importantes de hoje como se fossem os únicos intérpretes autorizados da tradição ocidental (para não dizer mundial), e nos recusamos a lançar um olhar direto e sem fiscais sobre um passado que eles mesmos, tantas vezes, confessam já não compreender mais. Quem nos garante que, examinando por nossa conta a antigüidade greco-romana, a cristandade medieval, a remota herança dos povos orientais, não seremos capazes de descobrir aí certos tesouros que foram esquecidos pelo establishment cultural euro-ianque ou que mesmo escaparam completamente ao seu horizonte de visão? Quem, que autoridade, que dogma inabalável nos reduz à condição de herdeiros indiretos que só podem ler Marco Aurélio com os olhos de Renan, Parmênides com os de Heidegger ou Aristóteles com os de Jaeger? Quem nos arrebata o privilégio de desfrutar diretamente de uma herança que não pertence só aos povos ricos e que os povos ricos tantas vezes desprezaram, traíram, aviltaram e perderam? Quem nos assegura que a linha de evolução intelectual da Europa moderna foi a única ou a melhor possível que poderia ter-se desenvolvido a partir do legado medieval e antigo? Por que embarcar na paralisante suposição apriorística de que não podemos descobrir aí novos e inéditos desenvolvimentos? Por que fazer da história intelectual européia o modelo paradigmático e inescapável da sucessão dos tempos? Por que repetir, como um disco rachado, que as coisas não poderiam ter sido de outro modo e recusar-nos a experimentar outros modos possíveis? Por que não podemos escandalizar e chacoalhar a empáfia dos usurpadores, lendo Heidegger através de Parmênides, Nietzsche através de Sócrates, a modernidade através da Idade Média? Por que não podemos, em vez de medir o passado com a régua dos senhores do dia, julgar os senhores do dia à luz das sementes cujo máximo e perfeito desenvolvimento eles, sem a mínima prova, asseguram representar? Por que não nos atravemos a provar que as antigas sementes, plantadas em terra nova, podem dar melhores e mais doces frutos do que as ideologias européias, o comunismo, o fascismo, duas guerras mundiais e a presente degradação intelectual do mundo?
Não fomos só nós que caímos na esparrela de abdicar de uma herança que nos pertence. Os portugueses, inferiorizados por não acompanhar pari passu o pensamento moderno, acabaram se esquecendo daqueles fantásticos filósofos de Coimbra, mestres de Leibniz, que em pleno século XVI já pensavam em economia de mercado e física probabilística, saltando três séculos sobre a ilusão mecanicista cujo prestígio, tão invejado pelos ìluministas lusos, só fez atrasar o desenvolvimento das ciências e inspirar, na política, os frutos mais letais do estatismo centralizador. Até hoje Portugal, como um príncipe bêbado que se imaginasse mendigo, atribui suas desventuras ao fato de não ter tido seu Voltaire ou seu Rousseau, quando seu único erro foi o de esquecer-se de si, o de não conseguir olhar seu próprio passado senão no espelho enganoso da modernidade alheia.
Por ironia, justamente nisso continuamos imitando servilmente Portugal. Iludidos pelo dogma de que o presente abrange todo o passado — quando por definição nenhum conjunto de fatos esgota o possível —, recusamo-nos a receber o legado das grandes épocas e continuamos mendigando às portas da mediocridade européia (e americana) atual. Barramos assim nosso acesso a uma verdadeira universalidade e continuamos nos agitando em vão na falsa alternativa cíclica do estrangeirismo e do localismo, ora em formato puro, ora ressurgida sob o disfarce do elitismo e do populismo.
Reincide no engano —só para dar um exemplo recente — o livro de Marcos Bagno, Preconceito Lingüístico. O Que É, Como Se Faz (1), ao assumir a defesa do mais entrópico laissez-faire gramatical contra toda tentativa de conservar a unidade da norma culta, abominada como mecanismo de exclusão social e opressão dos pobrezinhos. Adornando de terminologia técnica uma argumentação que no fundo não passa do habitual apelo ao ressentimento populista contra os adeptos do purismo vernáculo, supostamente também senhores do capital — ai, meu Sacconi! —, o autor nem de longe dá sinal de perceber que, afrouxada a norma portuguesa, o que haverá de predominar não será o democratismo igualitarista das falas populares, autoneutralizantes por sua multiplicidade mesma, e sim a influência ordenadora da norma anglo-americana, ocupando substitutivamente — e usurpatoriamente — o lugar da regra vernácula. Isso aliás já vem acontecendo, como se vê pela alarmante disseminação do uso de palavras portuguesas montadas segundo uma sintaxe inglesa — "amanhã estarei indo viajar" —, o que já não é mais a corriqueira assimilação de vocábulos estrangeiros e sim precisamente o contrário de uma assimilação: é uma adaptação do material nacional à forma dominante estrangeira, é ser assimilado, é fazer o papel da alface na fisiologia do coelho. Toda cultura nacional é um vasto sistema de incorporações, no qual manifestações isoladas e locais vão se integrando numa unidade superior, e isto acontece com a língua tanto quanto com as idéias. Se, no topo, esse movimento não encontra um critério de unidade que lhe seja próprio, ele logo se amolda a um de fora, preferindo antes ser assimilado do que voltar à dispersão de onde partiu. Se o prof. Bagno fosse um agente consciente do imperialismo, pretendendo dissolver a nossa unidade lingüistica para lhe sobrepor a americana, seu livro seria obra de inteligência, mista de maquiavelismo. Mas não: ele é apenas mais um esquerdista doido, desses que, ansiosos para expressar sua miúda revolta imediatista e cega, não sabem a quem servem em última instância e aliás não querem nem saber: falam o que lhes dá na telha e, de tempos em tempos, constatam, mais revoltados ainda, que tudo deu errado e seu mundo caiu.
Para cúmulo de inconsciência, o prof. Bagno, citando indevidamente Aristóteles, proclama que sua obra é política, quando a política para o Estagirita é o cuidado do bem comum, isto é, a vigilância sobre os rumos da sociedade como um todo, e nunca a adesão parcialista a exigências de grupos ou classes, defendidas como se valessem por si e sem o mínimo exame das conseqüências que seu atendimento possa produzir sobre o corpo da sociedade integral. Para os meninos da Febem ou para o lavrador de Ponta Grossa, pode ser bom ou pelo menos cômodo, a curto prazo, que os deixem escrever como falam, sem subjugá-los à uniformidade da norma. Subjetivamente, eles talvez se sintam, assim, menos excluídos. Mas, objetivamente, aí sim é que estarão excluídos, aprisionados na sua particularidade e sem acesso à conversação das classes cultas. Tudo depende de saber se preferimos enfraquecê-los pela lisonja ou fortalecê-los pela disciplina. Há nisso uma escolha moral que os amigos do povo preferem não enxergar. E se, levando as opiniões do prof. Bagno às últimas conseqüências, as próprias classes cultas desistirem da norma unitária e, para não passar por preconceituosas ante o olhar malicioso dos ressentidos, adotarem como obrigatória a entropia populista, então das duas uma: ou a entropia arrastará na sua voragem o pouco de possibilidade de diálogo racional que ainda resta neste país, ou então uma norma substitutiva acabará por se impor, e ela certamente virá da rede das telecomunicações, cujo idioma e padrão é o inglês. Qualquer das duas coisas será indiscutivelmente boa, mas para os Estados Unidos. E, se me perguntarem se o que é bom para os Estados Unidos não é bom para o Brasil, direi, de novo, que é uma simples questão de quem come quem.


Minha opinião:


Interessante a afirmação: “Um efeito cíclico da nossa obsessão identitária é que, quanto mais nos afastamos da nossa raiz autêntica lusitana, mais temos de tomar emprestada a seiva alheia...”
RAIZ AUTÊNTICA LUSITANA!!!!!! Como assim?Não sinto esta raiz em canto nenhum da minha vida e história, pelo contrário, sinto um grande abismo.
Sinto-me como uma índia nua, com pé no chão, banho de rio em noite de luar e um arrepio que sobe ou desce, não sei definir bem, quando ouço um atabaque, um tambor... O ritmo toma conta de mim!!! Raiz que eu definiria como AFRO TUPI-GUARANI, AHHHH ESTA EU SINTO SIM!
Como negar isto? Continuar a oprimir? Julgar como errado o multiculturalismo do povo brasileiro? Isto não dá! Em tudo está evidenciado nossas heranças: na cultura , no alimento, na dança, nas construções e não poderia ser diferente com a nossa fala , maneira de expressar-se.
Como educadora penso que devemos banir qualquer tipo de preconceito. Devemos analisar o perfil de nossos alunos, realizar uma reflexão acerca das variações lingüísticas e oportunizar acesso a língua materna padrão,para que ele possa fazer uso social adequado da língua, sem desmerecer a sua história de vida e de seus familiares.

sábado, 31 de maio de 2008

viva a vida!!!!!!!


“...Quando criança, vi uma folha azul que voava feito uma bailarina desengonçada, ora pra baixo, ora pra cima. Ora pra um lado e ora pra outro. Um jeito muito engraçado de dizer que estava viva...”

hoje estou viva!!! viva! viva!!!

JONAS RIBEIRO NA ESCOLA CLASSE 18





Gente!!!! o escritor Jonas Ribeiro visitou nossa escola, nesta sexta-feira,foi um dia muito proveitoso !! quem o convidou foi nosso rato , o Racumim.
com todo seu carisma ele contou história,brincou,dançou, deixou até nossa rata de biblioteca (Raquel) caminhar em cima dele para uma massagem, pode?
nossos alunos riram , divertiram-se muito e o melhor ,conheceram a obra deste autor .foi uma tarde feliz!!!!!

terça-feira, 27 de maio de 2008

O QUE É LETRAMENTO?

Letramento não é um gancho
Em que se pendura cada som enunciado,
não é treinamento repetitivo
de uma habilidade,
nem um martelo
quebrando blocos de gramática.

Letramento é diversão
é leitura à luz de vela
ou lá fora, à luz do sol.
São notícias sobre o presidente,
o tempo, os artistas da TV
e mesmo Mônica e Cebolinha
nos jornais de domingo.

É uma receita de biscoito,
uma lista de compras, recados colados na [geladeira,
um bilhete de amor,
telegramas de parabéns e cartas
de velhos amigos.

É viajar para países desconhecidos,
sem deixar sua cama,
é rir e chorar
com personagens, heróis e grandes amigos.

É um atlas do mundo,
sinais de trânsito, caças ao tesouro,
manuais, instruções, guias,
e orientações em bulas de remédios,
para que você não fique perdido.

Letramento é, sobretudo,
um mapa do coração do homem,
um mapa de quem você é,
e de tudo que você pode ser.
Kate M. Chong

É o resultado das ações de ensinar e aprender as práticas sociais da leitura e da escrita, também é a consequência de ter se apropriado da escrita e suas práticas sociais . É muito mais que saber ler e escrever.
Para a ONU o iletrado ou analfabeto não é aquele que não sabe ler e escrever, é aquele que não domina sua linguagem , o seu idioma para: entender as instruções das ferramentas do seu ofício, entender seus direitos e deveres na sociedade ,ficando impedido de viver sua condição plena de cidadão.
VAMOS REFLETIR?????? Zé da Luz, com seu poema AI SE SESSE é letrado ou iletrado , eis a questão...
Sou professora de alfabetização e talvez tenha uma visão diferenciada dos meus colegas de curso, não posso dizer que há alguém iletrado , pois tudo é um processo... no inicio de um ano letivo ,em uma turma de alfabetização de 6 anos , os alunos geralmente não sabem ler , as vezes não conhecem o alfabeto , mas sabem se comunicar , se fazer entender, então acredito que esta criança é letrada e está fazendo uso social adequado da língua. E como é maravilhoso acompanhar a aquisição da língua escrita, perceber sua construção do nível pré-silábico ao alfabético (que é escrever como se fala) . Pra muitos estaria completamente errado escrever: "xuva", "cãta" ou "caxorro" , MAS EU DIGO: _ PARABÉNS , VOCÊ SABE ESCREVER!!!! APRENDEU TUDO!
Assim seu caminhar na aquisição da nossa língua será tranquilo e feliz!

domingo, 25 de maio de 2008

SÃO TANTAS DISCUSSÕES!!!! REFLEXÕES!! MAS É DISSO QUE EU GOSTO. E POR FALAR NISTO ME PONHO A PENSAR ... SERÁ QUE NOSSO POVO TÃO RICO EM SABEDORIA POPULAR , ESTÁ ERRADO EM FALAR "ANSIM,ADISPOIS, BASSORA" ?
NÃO SEI!!!!! , MAS VALE REFLETIR E PARA AJUDAR NESTA MISSÃO, DEIXO AQUI UM TEXTO , INFELIZMENTE DE AUTOR DESCONHECIDO :

FINÁ DE ATO
Adispôs de tanto amor
De tanto cheiro cheiroso
De tanto beijo gostoso, nós briguemos
Foi uma briga fatá; eu disse: cabou-se !
Ele, disse; cabou-se!
E nós dois fiquemos mudo, sem vontade de falá.
Xinguemos, sim, nós se xinguemos.
Como se pode axingá:
_Ô, mandinga de sapo seco!
_Ô baba de cururu!
_Tu fica no Norte
Que eu vô pru sul
Não quero te ver nem pintado de carvão
Lá no fundo do quintá
E se eu contigo sonhar
Acordo e rezo o Creio em Deus Pai
Pru modi não me assombrá.É... o Brasil é muito grande
Bem pode nos separar!
Eu engoli um salucio
Ele, engoliu bem uns quatro.
Larguemo o pé pelo mato
Passou-se tantos tempo
Que nem é bom rescordar...
Onti, nós si encotremus
Nenhum tentou disfaçá
Eu parti pra riba dele
Cum um fogo aceso nu oiá
Que se num fosse um cabra de osso
Tava aqui dois pedaço.
Foi tanto cheiro cheiroso...
Foi tanto beijo gostoso...
Antonce nós si alembremos
O Brasil... é tão pequeno
Nem pode nos separá!
Finalmente montei meu blog!!!!!!!!!!!ufa!!!!
Vou falar um pouco de mim...
Em 1990 comecei a estudar na Escola Normal de Taguatinga, lugar onde começou minha formação e que fiz muitos amigos.
Comecei a trabalhar na SEEDF em 1996, de lá pra cá sempre atuei nas séries iniciais do ensino fundamental.
Atualmente sou coordenadora pedagógica da E.C 18 de Taguatinga, escola que já estou há 8 anos. Escola esta que sempre admirei e que têm profissionais maravilhosos, aprendi muito!!
Sou pedagoga , com pós- graduação em psicopedagogia e meu interesse por este curso alfabetização e linguagem é vencer barreiras que tenho em relação a língua portuguesa e compreendê-la melhor. Quem sabe eu gosto mais????